Ter um diploma universitário nem sempre garante vaga no mercado de trabalho. Até mesmo durante o curso, o aluno precisa se atualizar sobre a profissão que pretende seguir. Para isso, há cursos técnicos, palestras, pesquisas na internet, entre outras atividades.

Em Maringá há a Mostra de Profissões que está em sua 19ª edição. Esse ano não será realizada por uma decisão do Rotary, avaliando a 20ª edição para 2019. São mais de 60 profissões reunindo aproximadamente 10 mil alunos das escolas e universidades, além de profissionais de instituições como Senai, Sesi, Rotary, entre outros. "É o maior evento de profissões da cidade. Profissionais rotarianos de todas as áreas se dedicam por um dia todo à demonstrar a realidade do cotidiano profissional", aponta a supervisora do programa Foca na Carreira, da UniCesumar, Fernanda Ferdinandi.

O programa da universidade aconselha os alunos do Ensino Médio sobre o mercado de trabalho, numa orientação feita por psicólogas para as redes estadual e particular de Maringá. "É muito importante quem estuda ter uma prática na formação profissional", comenta o auxiliar jurídico do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Maringá, Cassio Augusto Rampelotti.

Ele mesmo já participou de uma Mostra quando estudava há oito anos e recebeu referências sobre o trabalho com advocacia. O sindicato tem 2 mil filiados em Maringá e região e também oferecer cursos técnicos para seus filiados e familiares melhorarem a formação.

Os participantes da Mostra de Profissões têm contato com práticas de diferentes segmentos do mercado de trabalho e ainda podem tirar dúvidas com profissionais que participam do evento. O que vai de encontro com as incertezas entre o fim do curso universitário e a entrada no mercado profissional. "Há uma grande preocupação em relação à entrada imediata no mercado de trabalho, escolha profissional, processos seletivos e meios para ingresso no ensino superior", diz Fernanda Ferdinandi.

Dinâmica

Ela exemplifica que cada segmento na Mostra tem um profissional que apresenta sobre o mercado de trabalho naquela área, considerando as possibilidades de atuação e salários na cidade e nas capitais.

Sobre os interesses dos estudantes, ela diz que ainda há um mito sobre cursos mais visados e de elite. Como Medicina, Direito e algumas Engenharias, por exemplo. "A função da Mostra é também desmistificar quanto a preconceitos acerca das profissões e seus profissionais. Todas as profissões são igualmente importantes na constituição da nossa sociedade", conceitua a supervisora do programa Foca na Carreira.

Regional
Maringá é um polo econômico e universitário. Com isso, estudantes de vários Estados mudam para a cidade para estudar, assim como trabalhadores da região buscam uma melhor colocação no mercado de trabalho.

Por isso, o mercado é disputado e exigente. "Em algumas áreas a oferta de profissionais maior que a demanda de vagas tem tornado o mercado extremamente competitivo e a qualificação exigida muitas vezes é desproporcional", explica Fernanda.

Ela completa que Maringá se destaca em relação às taxas de desemprego do país e ranking de geração de empregos no Estado. Maringá está em 3º lugar e Sarandi em 4º, atrás de Curitiba e Londrina respectivamente, o que gera mais vagas de trabalho comparado com outras cidades de porte parecido, mas acaba sendo mais exigente na qualificação.

A Mostra de Profissões pode ser um fator positivo para orientar melhor o estudante a seguir uma profissão que tenha mais relação com seu perfil e formação acadêmica que procurar emprego em outro segmento onde ele teria mais concorrência.


PROFISSÕES. A Mostra de Profissões é um evento importante, além de ser um fator positivo para orientar melhor o estudante sobre qual profissão seguir — CLEBERT GUSTAVO

Participe e comente