13 de dezembro é celebrado o Dia do Pedreiro
Considerada uma das profissões mais antigas do mundo, o pedreiro é responsável por ajudar a construir prédios comerciais, residenciais, casas e qualquer outro tipo de estrutura que precise de suas habilidades. O termo pedreiro tem sua origem do latim "petrarium", ou seja, relativo às pedras. Aliás, você sabia que o presidente do Brasil, Juscelino Kubitsckek, mandou erguer um monumento na cidade de Brasília como forma de homenagear os pedreiros que ajudaram a construir a cidade? A escultura Os Dois Guerreiros, popularmente conhecida como Os Candangos, foi esculpida em bronze, mede oito metros e é um dos símbolos do local. Donos das mais diversas técnicas, que foram aperfeiçoadas ao longo dos tempos, os pedreiros são peças fundamentais em qualquer tipo de obra. São eles os responsáveis por tirar do papel e colocar em pé grandes construções civis, além de atividades minuciosas, como o assentamento de tijolos, pedras, telhas e azulejos ou a montagem de estruturas de madeira e gesso. Infelizmente, a profissão nem sempre é devidamente valorizada. Porém, algumas medidas podem ser tomadas pelas empresas, como a capacitação constante, que não só melhora a qualidade do serviço oferecido, mas também garante o reconhecimento e o crescimento pessoal. Outro ponto fundamental para a rotina dos pedreiros é a segurança. Trabalhando para empresas ou por conta própria, é necessário fazer o uso adequado dos equipamentos de proteção individual (EPIs), como óculos, capacetes, luvas, botas, cintos de segurança, entre outros.
Joana Carluci

Prisão de Lula e Habeas Corpus
Incrível como ainda há pessoas se manifestando sobre esse tema alegando perseguição a Lula e ao PT. Fundamental é compreender que numa democracia, "governo do povo pelo povo e para o povo" tem malgrado os desmandos dos que hoje reclamam funcionado a contento. Pois, democracia significa que devem existir instituições, que recebem encargos atribuídos pelo próprio sistema e que devem funcionar em benefício do povo e da coletividade. Nesse sentido, embora o Brasil peque por ser um país muito desigual comparado com outras nações que possuem uma cultura que nasce do fundo da alma de cada cidadão cujo alicerce é a prevalência do coletivo sobre o individual, ainda assim, no caso em análise, depois de décadas, o Brasil, sob a condução firma do ex-juiz e futuro ministro da Justiça, raios de esperança surgiram no horizonte desta nação, para que a justiça seja aplicada a todos: desde o presidente da República, ou ex, governadores, poderosos, pobres e ricos. O senhor Lula teve à sua disposição as maiores bancas de advogados, um verdadeiro exército de juristas, além de criminalistas, ex-presidente do STF com Sepúlveda Pertence e etc. É de se perguntar: ou todos os advogados eram incompetentes, ou então a Justiça Federal até o STF estariam manchados por uma sanha de perseguição, tendo rasgado a Constituição Federal, o Código Penal e o Código de Processo Penal? Com certeza nem uma coisa, nem outra. Faria muito bem ao PT e aos seus adeptos, se quiserem sobreviver, iniciar uma catarse fazendo um "mea culpa" por todo mal que causou à nação brasileira, aos 13 milhões de desempregados, à falta de saúde do povo brasileiro, aos desmandos da Lava Jato, às verbas enviadas a Cuba, Venezuela, Equador, Bolívia e Nações da África, ao aparelhamento da maior parte dos órgãos públicos. Por último se não estivéssemos vivendo num estado democrático de direito, o senhor Lula, nem a senadora Gleisi Hoffmann estariam tendo o direito de estar se manifestando a todo momento e tendo liberdade para a imprensa publicar suas aleivosias. Experimente tentar em Cuba ou Venezuela se manifestar como oposição ao governo que a digníssima senadora certamente estaria na masmorra. Tenha santa paciência!
Dr. Shiguemassa Iamasaki

Conto do bilhete
O mundo está perdido mesmo: tem gente que foi abusada pelo João de Deus e ainda continua frequentando o local, tem gente que ainda acredita no Lula e, outros, que ainda caem nesse golpe. "Mulher perde R$ 32 mil no golpe do bilhete premiado em Maringá", página A4, 13/12/2018.
Ricardo Pastoreli, via Facebook

Artigo
Parabéns pelo artigo professor. Importante reflexão. "O valor do conhecimento", artigo de Maurício Reinert, página A2, 9/12/2018.
Jaiane Pereira, via odiario.com

Participe e comente