Na reta final do deste ano letivo, os alunos que foram aprovados já saboreiam as merecidas férias. Outros tantos, porém, vivem o drama das provas finais e delas depende a matrícula na série seguinte. E, nessa época, os personagens mudam, mas o enredo é sempre o mesmo: os responsáveis, aflitos, tentam ajudar seus filhos a vencer o fantasma da reprovação. A discussão é ampla e penso que seja preciso avaliar a participação de todos os envolvidos nesse processo.

Os alunos: nós, adultos, somos faróis na vida da meninada. Sozinhos, crianças e adolescentes terão muita dificuldade para caminhar. Ou, pelo menos, não escolherão o melhor caminho. Por isso, é preciso exercer a autoridade que nos cabe e cobrar o envolvimento deles nas atividades escolares. Um aluno que não consegue obter média suficiente para ser aprovado não pode ser rotulado como vítima. Ele teve grande responsabilidade nesse resultado. Exceto os casos de acentuada desestrutura familiar, a qual afeta o rendimento na escola, a meninada que tem casa, comida, roupa lavada e amor não pode se furtar ao compromisso de se dedicar aos estudos. Pais que atribuem ao colégio ou a determinado professor a culpa por seu filho não conseguir passar de ano podem cometer um terrível engano. E pior: fazem com que ele não aprenda a assumir as consequências dos seus atos.

A família: de fato, é uma experiência dolorosa para os pais aceitar a reprovação do filho. Fora o investimento financeiro, houve um investimento de tempo, de dedicação, de envolvimento. E, no final, a triste notícia. Mas é necessário fazer uma leitura do que levou a criança ou o adolescente a esse resultado. Adultos conscientes de que fizeram tudo que estava ao seu alcance não devem se sentir culpados. Aliás, a palavra "culpa" é sempre muito pesada. Prefiro "responsabilidade". Trabalho com adolescentes há bastante tempo e percebo, em algumas situações, que nem sempre a família se envolve com o desempenho deles no colégio, talvez por acreditar que, nessa idade, já não precisem tanto de atenção com as atividades da escola. Ledo engano. Mesmo os de 17 anos, prestes a concluir o Ensino Médio, precisam de uma bússola que os oriente. E a principal bússola vem da família. Se houver um acompanhamento das notas desde o primeiro bimestre, não há como a reprovação ser uma surpresa.

O professor: quando participo de um conselho de classe de final de ano, não aceito responder "reprovo". Digo "não aprovo". E é bem diferente. Depois de todas as provas – e há uma série de oportunidades para que a nota seja recuperada -, o aluno que não obtém o resultado necessário já chega reprovado ao Conselho. Portanto, não sou eu que irei reprová-lo. Meu papel, como professora que acompanhou todo o seu envolvimento durante o ano, é avaliar se, mesmo sem conseguir atingir a média, ele tem condições de seguir adiante. Além dos números, o esforço e o comprometimento do estudante também são levados em conta. Mas é importante ressaltar o papel docente em todo o processo de ensino-aprendizagem a fim de evitar as reprovações ou, pelo menos, diminuir seus índices. Educadores comprometidos como tablado não serão negligentes durante o ano letivo e estarão sempre atentos ao resultado das provas e trabalhos. Apenas os que fazem de conta que são professores é que também fazem de conta que ensinam, enquanto os alunos fazem de conta que aprendem.

A escola: seja na rede pública ou na rede privada, infelizmente ainda há uma "teoria do empurrãozinho" que predomina em algumas instituições. De forma velada, e em outras situações de forma explícita, professores são convidados a buscar uma maneira de aprovar determinado aluno. Jamais defenderei a reprovação como forma de castigo, afinal, uma história de vida precisa ser levada em conta. Mas premiar uma criança ou um adolescente que levaram na brincadeira o que precisaria ser levado a sério não é uma medida inteligente. A escola tem o dever de informar a família sobre o que acontece durante o ano letivo, tem o compromisso de oferecer aos alunos oportunidades para que consigam progredir, mas, caso isso não aconteça, a reprovação precisa ser avaliada como uma consequência. Empurrá-los para a série seguinte, apenas para atingir estatísticas ou não perder matrículas, só contribui para o caos na educação.

Quando o aluno assume seu compromisso e os pais e a escola cumprem com o seu papel, as chances de reprovação diminuem consideravelmente. Entretanto, se ela acontecer, não será o fim da história. Será só o começo de mais um capítulo.

Participe e comente