A Capela Santa Cruz - patrimônio histórico de Maringá desde a década de 1980 -, está com a estrutura bastante comprometida e foi interditada na última sexta-feira (2). A igreja, localizada na Zona 6 da cidade, será restaurada pela administração municipal. Mas, ainda não há previsão para início da manutenção, e até lá, o local permanecerá fechado por segurança.

A capela foi construída por pioneiros entre os anos de 1946 e 1947, em peroba rosa - madeira encontrada em abundância na região. A arquitetura é alemã. A última restauração ocorreu na década de 1990. A Associação Civil Carmelitas da Caridade - administradora do prédio e mantenedora do Colégio Santa Cruz - solicitou o restauro do prédio à prefeitura, uma vez que o local é de relevante interesse histórico, cultural e social.

"Já faz uns dois anos que estamos observando que ela precisa de um novo restauro - seguindo as normas técnicas do tombamento e preservando cores, arquitetura, etc. Ela está bastante comprometida estruturalmente, tanto na base - que é o mais sério -, quanto na cobertura. Há um certo 'afundamento' de toda estrutura", explica Anna Thereza Valias Meira, diretora geral do Colégio Santa Cruz.

"Todos os casamentos e outros compromissos que assumimos já aconteceram. Agora, por questão de segurança, ela estará desativada até terminar a restauração", ressalta.

De acordo com o secretário de Cultura de Maringá, Miguel Fernando, o processo de restauração da capela já foi aprovado junto à Comissão Especial de Preservação do Patrimônio Histórico e Artístico. "O processo está na procuradoria-jurídica do município para que emitam um parecer favorável. Depois disso, vamos nos debruçar sobre os projetos arquitetônicos de execução da obra. Vai levar um tempo para abrirmos uma licitação de todos os projetos complementares, onde um escritório de arquitetura ou engenharia possa desdobrar cada uma das ações que vão ser executadas, e só depois licitamos a obra. Ainda não sabemos quanto vai custar", diz.

A estimativa é que a restauração leve, pelo menos, um ano e meio. "Não se trata de um prédio comum. O prédio é tombado como patrimônio histórico do município e do Estado. A Capela Santa Cruz tem importância gigantesca porque é a primeira representação simbólica do catolicismo em zona urbana de Maringá", acrescenta.

Participe e comente