A Biblioteca Pública do Paraná lançou o livro de crônicas O Tempo Visto Daqui: 85 Cronistas Paranaenses. O professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Luís Bueno, é o organizador do livro. Com 356 páginas, a obra foi publicada pelo selo Biblioteca Paraná.

O livro reúne de forma inédita mais de um século e meio de produção, e publicação, de crônicas na imprensa paranaense. Os leitores vão encontrar desde textos veiculados no jornal O Dezenove de Dezembro, primeira publicação do Estado, a nomes conhecidos do jornalismo e da literatura do Paraná, como Luiz Geraldo Mazza, Jamil Snege, Dalton Trevisan e Cristovão Tezza, incluindo outros poucos lembrados, como é o caso de Adriano Robine. "Essa é, para mim, uma qualidade dessa antologia, a de trazer à lembrança os intelectuais de diferentes áreas e épocas que, tendo mantido colaboração em jornais e revistas, não se tornaram escritores de renome, fosse por qual motivo fosse", explica Luís Bueno.

Entre as autoras, foram selecionadas vozes com ressonância na vida cultural paranaense, como Raquel Prado, Mariana Coelho, Denise Stoklos, Helena Kolody e Liamir Santos Hauer, até outras nem tão baladas, mas que merecem atenção, a exemplo de Cecy Cabral Gomes e Celina Silveira Cruz. Cronistas recentes, como José Carlos Fernandes, Luís Henrique Pellanda e Paulo Polzonoff Jr, também foram incluídos na antologia.

O organizador da obra comenta que, se uma ilha é terra cercada de água, ou seja, algo isolado por coisas que não são de sua natureza, a crônica é uma espécie de anti-ilha: "Um gênero cercado de gêneros por todos os lados, comunicando-se com todos e incorporando tudo a partir do olhar dessa figura curiosa e atenta que é o cronista", diz Bueno, definindo o que é ou pode ser a crônica.

Participe e comente