A We Do Logos, maior comunidade de design gráfico da América Latina, indica que seu ano de 2017 será de muitas novidades. Com faturamento de R$ 6,5 milhões conquistado em 2016, mais de 40 mil clientes atendidos em sete anos de atuação e R$ 12 milhões pagos em serviços para os designers gráficos freelancers cadastrados na plataforma, a empresa almeja novos caminhos e metas.
“Queremos crescer 2,3 vezes em relação ao que fizemos em 2016. O desafio é grande, mas nossos serviços já estão mais consolidados, seja para o empresário ou o novo empreendedor que busca um designer freelancer para serviços de criação, como para os profissionais que encontraram na plataforma uma maneira de aumentar sua renda ou fazer do trabalho freelancer sua profissão”, comenta Gustavo Mota, CEO e fundador da We Do Logos.
2017 também será o ano da mobilidade para a We Do Logos. A plataforma lançará seu aplicativo já programado para o primeiro trimestre. O app incialmente será criado para ampliar a comunicação instantânea entre cliente e designer. “Está na hora de partir para o mundo mobile. As nossas ferramentas web já estão mais do que completas. A primeira versão do aplicativo será para agilizar ainda mais a comunicação entre as pontas (clientes e designer). O cliente vai receber seus projetos e poderá acionar o profissional imediatamente para alterações na arte ou aprovação. O designer ainda precisa muito do desktop para trabalhar, mas o aplicativo será mais um canal de interação e acompanhamento de seu trabalho”, esclarece Mota.

Para essas novidades, a We Do Logos aumentará sua estrutura de equipe com 11 novas contratações e trará um investimento cinco vezes maior em marketing, passando dos R $180 mil investidos em 2016 para R$ 900 mil. Desde sua inauguração em 2010, a We Do Logos já atendeu mais de 40 mil clientes e pagou R$ 12 milhões para designers que tiveram seus trabalhos aprovados e finalizados na plataforma. A empresa confirma que a média paga para cada freelancer está entre R$ 1.800,00 a R$ 2.500,00 por mês, valor de acordo com o mercado, segundo dados relatados em pesquisas.

Participe e comente