As bolsas europeias fecharam em queda nesta quinta-feira, 11, influenciadas pelo menor apetite por risco global e reagindo à forte baixa da sessão anterior nos índices acionários de Nova York. A tensão comercial entre Estados Unidos e China seguiu no radar, com investidores ainda temerosos com a trajetória da dívida da Itália, após o governo local prever déficit orçamentário maior no futuro, e as difíceis negociações da saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit. Nesse quadro, papéis do setor financeiro e de energia se saíram mal, em jornada negativa para o petróleo.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em baixa de 1,94%, em 7.006,93 pontos, atingindo durante o pregão a mínima intraday em seis meses. Analistas apontaram a alta recente nos retornos dos Treasuries dos EUA como também responsável pelo movimento, já que isso leva investidores a alocar mais recursos nesse mercado, retirando dinheiro do mercado acionário. Analista do IG, Chris Beauchamp diz que investidores se mostraram cautelosos, à espera da divulgação de importantes balanços trimestrais de bancos dos EUA nesta sexta-feira.

Em Frankfurt, o índice DAX recuou 1,48%, a 11.539,35 pontos, com o setor bancário sob pressão, como Commerzbank (-1,43%) e Deutsche Bank (-1,17%). No setor de energia, E.ON recuou 0,60%.

O índice CAC-40, da bolsa de Paris, teve baixa de 1,92%, a 5.106,37 pontos. Entre os papéis mais negociados, AXA caiu 3,52%, Natifix cedeu 4,62% e Engie, 2,59%. Crédit Agricole caiu 2,11% e BNP Paribas cedeu 2,49%, entre os bancos.

Em Milão, o índice FTSE-MIB fechou em queda de 1,84%, a 19.356,61 pontos. Os bancos também se saíram mal, com Banca Carige em baixa de 6,12% e Intesa Sanpaolo, de 2,47%. No setor de energia, ENI caiu 2,75%.

Na bolsa de Madri, o índice Ibex-35 recuou 1,69%, a 9.007,90 pontos. Santander caiu 2,36% e Banco de Sabadell teve queda de 0,77%, entre os bancos, e, no setor tecnológico e de redes de comunicações, Amper recuou 6,14%.

Em Lisboa, o índice PSI-20 teve queda de 0,82%, a 4.994,35 pontos. Altri caiu 4,60% e Galp recuou 3,97%, mas Banco Comercial Português terminou quase estável, em alta de 0,04%. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Participe e comente