O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, afirmou que a instituição não discutiu, em sua mais recente reunião de política monetária, um prazo específico para terminar os reinvestimentos em ativos, ou seja, a reposição de bônus amadurecidos.

Em coletiva de imprensa realizada após o anúncio da decisão de política monetária do BCE, que optou por manter sua taxa básica de juros - a de refinanciamento - em 0% e a de depósitos, em -0,4%, Draghi afirmou ainda que os dados recentes da atividade na zona do euro foram "mais fracos do que o esperado" e ressaltou que "estímulos significativos" à economia ainda são necessários. Segundo o dirigente, os "indicadores sugerem um ímpeto mais fraco" à frente para economia e destacou, ainda, que a política continua "muito acomodatícia".

Além disso, depois de confirmar o término das compras líquidas de ativos neste mês, parte do programa de afrouxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês), Draghi reforçou que o QE está de forma permanente na "caixa de ferramentas" monetárias do BCE e pode voltar a ser utilizado se for necessário.

Ainda segundo o dirigente, a equipe do BCE tem monitorado "cuidadosamente" o impacto das baixas taxas de juros na lucratividade de instituições financeiras. Draghi defendeu que elas são compensadas por outros estímulos, como as compras líquidas de ativos. Ao mesmo tempo, ele reforçou que "nossa intenção é manter a liquidez tão disponível quanto seja preciso".

Participe e comente