Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL, cresceu 2 pontos percentuais e alcançou 26,6% das intenções de voto no levantamento divulgado nesta quarta-feira, 12, pelo Paraná Pesquisa, contratado pela Empiricus Research e pela Revista Crusoé. Na pesquisa do instituto veiculada no dia 15 de agosto, o candidato aparecia com 23,9%.

Na sequência, vêm Ciro Gomes (PDT) com 11,9% que também cresceu, na comparação com o levantamento anterior, 1,7%; Marina Silva (Rede), que caiu de 13,2% (agosto) para 10,6% (setembro); Geraldo Alckmin (PSDB), que se manteve praticamente no mesmo patamar com 8,7% (8,5% registrado na pesquisa passada); e Fernando Haddad (PT), que teve o maior crescimento, passando de 3,8% para 8,3%.

Os quatros candidatos brigam por um lugar no segundo turno das eleições, já que estão empatados tecnicamente, considerando a margem de erro de dois percentuais para mais ou para menos.

Também seguem tecnicamente empatados Álvaro Dias, do Podemos, com 3,7% das intenções de voto; João Amoêdo (Novo), 3,3%; e Henrique Meirelles (MDB), 2,4%. os demais candidatos não alcançaram 1%: Guilherme Boulos (PSOL), 0,8%; Vera Lúcia (PSTU), 0,7%; Cabo Daciolo (Patriota), 0,6%; João Goulart Filho (PPL), 0,4%; e Eymael (DC), 0,2%.

Escolha por Bolsonaro

Os entrevistados que têm intenção de votar em Bolsonaro foram questionados sobre o motivo da escolha e 23,6% disseram que o farão pelos projetos anticriminalidade; 15,3% por representar a mudança; 13,1% se identificam com o discurso do candidato e 11,2% pelos projetos anticorrupção.

Já aqueles que intencionam votar em Ciro e Marina, primeiramente, se identificam com o discurso destes candidatos. A experiência política foi o apontamento principal feito por eleitores de Alckmin. A maior parte dos que pretendem votar em Haddad, segundo a pesquisa, disseram que é por ser próximo do ex-presidente Lula, 38% dos entrevistados.

Segundo turno

Cada eleitor ouvido ainda escolheu dois candidatos que podem disputar um eventual segundo turno para presidente do Brasil. Os mais indicados foram Jair Bolsonaro, por 51,9% e Ciro Gomes, 26%. Alckmin foi o terceiro mais apontado, 23,7%, e Marina, por 18,2%.

O impacto do apoio do ex-presidente Lula na vontade de votar no candidato Fernando Haddad para presidente não altera para 49,8% dos eleitores, aumenta para 23,9% e diminui para 22,2%.

Futuro

O aumento da violência é o que mais gera medo entre os ouvidos pela Paraná Pesquisa, 36,1% deles. Depois vêm ficar desempregado/ não achar emprego (22,5%), ficar doente e não ter assistência médica (19,9%), que o país não saia da crise (17%) e que os políticos corruptos fiquem impunes (13,4%).

A pesquisa foi feita entre os dias 7 e 11 de setembro, em 26 estados e Distrito Federal, com 2.010 eleitores. O grau de confiança é de 95% e a margem de erro é de 2%. O levantamento está registrado no TSE sob o número BR-02410/2018.

 

 

Participe e comente