O ex-governador de Goiás Marconi Perillo foi preso, em caráter preventivo, na tarde de ontem (10), enquanto prestava depoimento na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Goiás. Ao confirmar a prisão temporária de seu cliente, o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que está indignado. "O novo decreto de prisão é praticamente um "copia e cola" de outra decisão de prisão já revogada por determinação do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1)", afirmou o advogado, em nota enviada à imprensa.

Um dos investigados na Operação Cash Delivery, que investiga denúncias de pagamento de propina a agentes públicos de Goiás, Marconi Perillo foi à Superintendência da PF para prestar depoimento. Por decisão do próprio ex-governador, o depoimento inicial foi mantido.

Em sua nota, Kakai lembra que o TRF1 já concedeu liminares determinando a soltura de dois investigados na Cash Delivery. "Não há absolutamente nenhum fato novo que justifique o decreto (de prisão) do ex-governador Marconi Perillo."

A prisão é desdobramento da Operação Cash Delivery, que foi deflagrada no dia 28 de setembro para apurar denúncias de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa nos quais Perillo estaria envolvido.

Participe e comente