A crise comercial entre Estados Unidos e a China tem movimentado toda a economia global. Com as relações de importação e exportação abaladas entre os países, algumas nações como o Brasil tem se aproveitado da crise e se destacado no comércio exterior, resultado disso é que o país teve a maior taxa de crescimento entre todos os países do G-20 no terceiro trimestre de 2018. De acordo com Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com a guerra comercial entre as maiores potências econômicas mundiais, o fluxo de exportações e importações está perdendo força, o crescimento que ocorreu durante esse período é creditado apenas a alta no preço do petróleo.

Além dos países exportadores de petróleo, o terceiro trimestre de 2018 foi um período de estagnação ou crescimento abaixo do esperado. Em relação ao G-20 as exportações tiveram uma alta de apenas 0,3% e as importações subiram 0,7%, após uma queda no último trimestre, o que gera uma interrupção no crescimento que vinha sendo registrado nos últimos dois anos. Países europeus, Austrália, Japão, África do Sul, Turquia ou Índia apresentaram quedas pelo segundo trimestre consecutivo. Nos EUA, as exportações sofreram uma contração de 1,7%, apesar do crescimento de 2,4%, graças a venda de uma plataforma de petróleo ao Brasil, a China ficou bem abaixo da média que manteve nos últimos anos, além da contração de 4,9% que teve no trimestre anterior.

Já o Brasil, na contramão dos demais países integrantes do G-20, alcançou um crescimento de 18% das importações no terceiro trimestre deste ano, além de 5,5% de expansão das exportações, valor maior que de todas os demais países do grupo econômico como Rússia (5,3%) e Coreia (4,7%).

De acordo com a Asia Shipping , maior integradora logística latino-americana, as empresas devem aproveitar este momento no comércio exterior nacional para expandir os seus negócios. "O Brasil vinha de retração no comércio exterior em termos financeiros, com essa expansão devido a guerra comercial, está crescendo e pode expandir muito mais, preenchendo lacunas deixadas por esses países. Se as empresas provarem neste momento a qualidade de seus produtos e eficácia dos serviços brasileiros, não perderão mais esse espaço", explica.

Website: http://www.asgroup-portal.com/pt

Participe e comente