O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse ontem (12) que o problema fiscal do País só se resolve enfrentando o aumento dos gastos públicos, acrescentando ser necessário e urgente aprovar a reforma da Previdência.

"É muito importante priorizar os temas pela urgência que têm para o País. O que é urgente e absolutamente necessário é aprovar a reforma da Previdência. Não resolve o problema fiscal com a privatização, resolve o problema fiscal enfrentando o problema do gasto", disse ao ser questionado se a proposta do próximo governo de conseguir recursos com privatizações de estatais é viável.

Além de reduzir os gastos públicos, o ministro disse que a reforma tem o objetivo de fazer "justiça social, porque hoje existem regras desiguais" para os setores público e privado.

Crescimento

Questionado sobre o motivo de o País não ter crescido tanto quanto o governo esperava, Guardia citou uma série de fatores que ocorreram ao longo deste ano. "Em primeiro lugar, a partir do início do segundo trimestre deste ano, começa a ter maior preocupação com o comportamento da economia mundial", como o aumento da taxa de juros dos Estados Unidos, o que atrai investidores para aquele país que aplicam em países emergentes como o Brasil, e os conflitos comerciais.

Depois, em maio, disse o ministro, veio a greve dos caminhoneiros, com a paralisação da economia e deterioração das condições financeiras do País. Outro fator citado por Guardia foi o debate eleitoral, com dúvidas sobre qual rumo o País iria tomar. "Isso tudo agregou maior volatilidade ao longo desse período", disse.

PIS/Cofins
Guardia disse que o ministério tem um projeto pronto que prevê a simplificação do PIS/Cofins (Programa de Integração Social/Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social). O ministro havia anunciado a intenção de reformas nessas contribuições em março deste ano. Entretanto, disse que não seria oportuno enviar um projeto agora para o Congresso pela inviabilidade de aprovação. "Não achamos que seria adequado enviar agora ao Congresso Nacional", afirmou. "Isso tem que ser decidido pela nova equipe. Tem um novo governo eleito, um novo ministro indicado", disse.

Participe e comente