Já está incorporado no hábito de muitos brasileiros aproveitar o período de fim de ano para a execução de obras de reforma ou ampliação da casa. Em geral, são dois os motivos básicos que movem essa iniciativa.

Primeiro, é um período em que os trabalhadores escolhem para tirar férias. Se não tanto, alguns dias de folga, suficientes para tocar reformas e dar um tapa para mudar o visual da casa para as festas de fim de ano.

Outro é a relativa folga financeira pela chegada do dinheiro extra do 13º salário. Um recurso que, em geral, se junta ao economizado ao longo do ano para dar conta dos custos com material e possível mão de obra.

Reforma, puxadinho, benfeitoria, não importa do nome, o que interessa é que há tempo e dinheiro para bancar a obra tão desejada. O resto é ter todo o cuidado com custos e materiais, prazo de execução das obras, acerto na escolha de profissionais, dentre outras.

Mesmo que tudo esteja aparentemente em ordem, não dispense cuidados. Antes de tudo, defina o tamanho da reforma. Avalie as condições financeiras para cobrir as despesas e leve em conta sempre a possibilidade de um estouro no orçamento inicial.

Pequenos reparos, como troca de piso e pintura, podem ser executados por pedreiros e pintores, mas mudanças estruturais, como retirada de paredes, ampliação do imóvel, alteração nas calçadas ou fachada, devem ter a obra gerenciada por arquitetos ou engenheiro.

A elaboração de um projeto também é importante. Nas obras mais simples, bastam alguns traçados, mas as reformas de maior porte exigem um projeto detalhado, além de licenças e alvarás emitidos pela prefeitura.

O atendimento às exigências burocráticas, sobretudo as da prefeitura, evita dores de cabeça futuras. A regularização posterior de documentos em obras executadas sem conhecimento ou autorização da prefeitura demanda paciência e tempo quando o que você mais quer é sossego e tranquilidade. Procure evitar aborrecimentos desnecessários.

No item mão de obra, uma das principais fontes de problema para quem toca uma reforma no imóvel, o cuidado precisa ser redobrado. Escolha profissionais que tenham boa referência e conheça trabalhos anteriores para ter certeza de que vão dar conta do recado, em qualidade e no respeito ao prazo de execução da obra. Elabore um contrato com prazo de duração da reforma, preços, horários e forma de pagamento.

Conte com eles já na etapa de escolha e cálculo de quantidade de materiais necessários para a reforma. A compra de areia, cal, cimento e outros itens deve ser precedida por ampla pesquisa, porque há grande variação de preços no mercado. A compra de todo o material em um único lugar simplifica o processo e aumenta o poder de barganhar descontos, inclusive com o transporte.

O acompanhamento das obras, pessoalmente ou por alguém que tenha conhecimento, também é item importante do processo de reforma. Etapas de alvenaria, hidráulica, pisos e revestimentos devem ser executadas no início da obra, para não prejudicar o acabamento.

A mesma preocupação vale para a instalação de pontos elétricos, de som, alarme e hidráulicos, cujo esquecimento pode levar à perda de tempo e dinheiro com novos reparos. Uma pintura de qualidade exige que as paredes estejam bem lixadas, com a superfície uniforme e sem resíduos.

Se a troca de piso não fizer parte do conjunto da reforma, é bom providenciar uma proteção reforçada, com madeira ou borracha, para evitar arranhaduras, manchas e outros danos. Concluída a obra, faça uma vistoria completa, conhecida como aceite de obra. Confira os serviços, atento aos detalhes, e verifique se os sistemas elétricos e hidráulicos funcionam corretamente.

Participe e comente