As fêmeas pesam entre 500 e 600 quilos e os machos chegam a 800 quilos. Comparado com a raça nelore, que passa de mil quilos, o gado franqueiro é considerado de porte médio, mas impressiona pelo tamanho dos chifres que chegam a 2 metros de comprimento. Pela primeira vez, a raça está sendo exposta na 41ª Expoingá, que acontece até o dia 19 deste mês, no Parque de Exposição Francisco Feio Ribeiro, em Maringá.

No Paraná, há apenas um criador, em Braganey, no oeste do Paraná. A raça é mais comum no Rio Grande do Sul. Esses animais não são criados para corte ou leite. A genética rústica não sofreu interferência da tecnologia. Trazido ao Brasil em 1534, pelo donatário das Capitanias Hereditárias de São Vicente, Martim Afonso de Souza, o gado franqueiro existe há 6 mil anos e foi domesticado, primeiramente, no Egito.

Ricardo Lopes

Animais em exposição na feira. No Paraná, existe apenas um criador, em Braganey. Raça considerada rústica está em extinção Raça em exposição na feira em Maringá é considerada de porte médio. Os animais chamam atenção pelos longos e finos chifres

O nome franqueiro vem do espanhol e significa franco, livre e sem dono. “Essa raça sobreviveu ao deserto, é resistente às condições adversas onde há pouca alimentação e água”, diz o adestrador Jair José Bueno.

Segundo Jucival de Sá, diretor de Pecuária da Sociedade Rural de Maringá (SRM), que promove a Expoingá, a raça não teve melhoramento genético; a seleção foi natural. “Eles fixaram as características entre eles, sem interferências”, explica.

INGRESSO

Nesta segunda-feira, o ingresso
será trocado por 1kg de
alimento  não perecível. O show
é da dupla Rio Negro e Solimões.
Os alimentos serão repassados
a entidades assistenciais

Na próxima terça-feira, mais
um dia de acesso ao parque sem
a cobrança do ingresso. A entrada
será a doação de produtos de
higiene pessoal ou agasalhos.
O show é de Padre Robson.

Os chifres enormes funcionam como defesa e reserva de cálcio e fósforo, o que garante a resistência do animal. “Essa raça é importante porque é rústica, resistente e tem um potencial genético importante”, explica ele, destacando que a criação não tem o objetivo de produtividade, mas de preservar e resgatar as suas características principais.

Segundo informações da Fazenda Gaúcha, em Braganey, que cria o franqueiro, a raça está presente em 15 propriedades do Sul do País que somam aproximadamente mil animais - 200 estão no Rio Grande do Sul. Com poucos exemplares, a raça corre o risco de extinção. O gado franqueiro está apenas para exposição na Expoingá. Não haverá leilões da raça.

Leilões
Neste domingo, a partir das 17h, a Expoingá realiza leilão de 800 animais de corte para cria, recria e engorda, no Recinto Ermelindo Bolfer, no parque de exposições.

Já na segunda-feira, a partir das 20h, acontece o 2º Leilão Minorgan, com oferta de mil animais de corte. Esses dois pregões são realizados pela Leiloingá.

Participe e comente