Um homem foi preso em Maringá na Operação 14 Bis, deflagrada ontem (13) pela Polícia Federal de Londrina, Ministério Público Federal (MPF), Controladoria-Geral da União (CGU) e Receita Federal. A operação investiga a atuação de empresas e gestores que se uniram para fraudar contratos e licitações da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, em Cornélio Procópio (UTFPR-CP). Há indícios de irregularidades de cerca de R$ 5,7 milhões.

Cerca de 90 policiais federais e servidores da Receita Federal e da CGU atuaram na Operação. Foram cumpridos 26 mandados de busca e apreensão e 20 de prisão temporária em quatro cidades do Paraná – Maringá, Cornélio Procópio, Uraí e Nova América da Colina.

Sobre o caso, a Polícia Federal divulgou a seguinte nota: "As investigações apontaram a ocorrência de irregularidades graves em contratos celebrados entre a UTFPR-CP e empresas que prestaram serviços de manutenção predial, manutenção de ar-condicionado, manutenção de veículos, fornecimento de materiais de construção e serviços de reprografia. Entre as irregularidades estão a suspeita de obtenção de informação privilegiada, formação de grupo econômico, uso de documento potencialmente falso ou insuficiente para atesto de capacidade técnica, pagamentos superiores aos valores contratados, superfaturamento, sobrepreço, frustração de concorrência, suspeita de pagamento de materiais não recebidos ou desviados, entre outros".

Após receber a denúncia, a UTFPR imediatamente adotou as medidas em âmbito administrativo, realizando auditorias conduzidas por sua unidade de auditoria interna, além da demissão de dois servidores envolvidos nas fraudes, mediante processos administrativos disciplinares.

Os presos foram conduzidos à Delegacia de Polícia Federal em Londrina, onde permanecerão à disposição da Justiça

Ontem a tarde, a PF divulgou o balanço da Operação 14 Bis: vários imóveis foram indisponibilizados aos seus proprietários; foram apreendidos seis carros e uma motocicleta de alto padrão, um jet-ski, uma lancha e um barco; jóias; US$ 27 mil; quatro armas e documentos relacionados às fraudes investigadas.


Participe e comente