Candidato à Presidência da República afirma que 40% do alimento que o mundo consumirá em 2050 serão produzidos pelo Brasil

A diretoria da Sociedade Rural de Maringá (SRM) recepcionou no sábado a noite o senador Álvaro Dias, já apresentado como candidato do Podemos à Presidência da República nas eleições deste ano. Como o político é oriundo de família de produtores rurais de Maringá, a conversa girou em torno do agronegócio.

Segundo o presidenciável, “o agronegócio é o sustentáculo do desenvolvimento do País e há muito tempo está carregando o Brasil nas costas”. De acordo com ele, “se bem aproveitado o potencial do agronegócio brasileiro, o país terá décadas de prosperidade porque o mundo vai necessitar de uma produção 60% maior do que a de hoje para atender 9,8 bilhões de pessoas que o planeta terá até 2050 e 40% disto tudo terá que sair do Brasil”.

Ele considerou que a Sociedade Rural de Maringá terá um papel importante nesta fase. “É uma entidade que é exemplo de competência, que com esta feira mostra os avanços que o agronegócio vem tendo”.

Candidatura diferente

Na conversa que teve com a presidente da SRM, Maria Iraclézia de Araújo e demais diretores, Álvaro Dias falou dos motivos que o levaram a ser candidato à Presidência. “Precisamos substituir este sistema corrupto que é uma fábrica de escândalos, matriz dos governos incompetentes instalados em Brasília e transplantados para muitos Estados e municípios, distribuindo a incompetência e corrupção. Não podemos continuar rimando governabilidade com promiscuidade. A rima é outra: é governabilidade com respeitabilidade”.

Apesar de estar em um partido novo e pequeno, Dias considera que sua candidatura tem condições de ser alavancada porque “a população aponta como os dois critérios básicos para a escolha a experiência administrativa e o passado limpo. Aqueles que sequer foram cogitados para serem prefeitos de sua cidade, governador de seu Estado e agora aparecem como salvadores da pátria, não devem ir longe quando começarem os debates, porque o povo verá que eles não têm nada de positivo a apresentar”. No seu entender, o eleitor consciente, lúcido, vai olhar para trás. Vai verificar a história de cada candidato. “A análise de como foi meu governo, encerrando com 93% de aprovação da população do Estado do Paraná, nos autoriza a apresentar ao Brasil o modelo de gestão que aqui foi praticado”.

O candidato do Podemos é autor da proposta de emenda constitucional (PEC) que extingue o foro especial por prerrogativa de função para autoridades federais, mais conhecido como foro privilegiado, que tramita atualmente no Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo as últimas pesquisas de opinião pública, ele é o candidato à Presidência com menor índice de rejeição.

Participe e comente