O doleiro Raul Henrique Srour, condenado em segunda instância na Operação Lava Jato, foi preso por policiais militares, na manhã desta quarta-feira, 10, em um imóvel na cidade de Jandaia do Sul, a cerca de 40 quilômetros de Maringá. O pedido de prisão preventiva foi feito pela promotora Fernanda Lacerda Trevisan Silverio, em denúncia oferecida à Justiça contra o doleiro por crime de falsidade ideológica e associação criminosa. Ele foi levado para a delegacia da cidade.

Segundo o Ministério Público, logo após ter confirmada a condenação em segunda instância, em maio deste ano, Raul Henrique Srour se mudou para Jandaia do Sul para que não cumprisse pena em unidade prisional no Estado de São Paulo, onde existem estabelecimentos destinados ao regime semiaberto. A alteração do domicílio transferiu para a comarca o processo de execução, onde não há unidade prisional de regime semiaberto. "Ele não tem e nunca teve nenhum vínculo profissional ou pessoal na cidade", afirmou a promotora.

Para sustentar a mudança de domicílio, o doleiro apresentou à Justiça um contrato de trabalho com uma gráfica de Borrazópolis para a função de "vendedor autônomo". Porém, as investigações conduzidas pela 1ª Promotoria, com o apoio do MP de Faxinal e que contou com interceptações telefônicas realizadas pela PM, sustentam a acusação de que o doleiro "jamais exerceu a função de vendedor e tampouco pretendia fazê-lo".

Além de Raul Henrique Srour, dois advogados e o proprietário da gráfica, que não tiveram os nomes divulgados, foram denunciados também pelos crimes de falsidade ideológica e associação criminosa.

Lava Jato

O doleiro foi condenado em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro a sete anos e dois meses por lavagem de dinheiro e falsa identidade para operação de câmbio. Em segunda instância, as penas foram diminuídas para cinco anos, cinco meses e cinco dias.

Participe e comente