Algumas mulheres que prestaram concurso público da Prefeitura de Maringá para o cargo de cuidadora infantil reclamam que foram consideradas inaptas, após passarem pelos testes depois da prova realizada em agosto. Seriam apontadas como inaptas 10% das 229 classificadas de um total aproximado de 600 candidatas que fizeram o concurso. A convocação começou no dia 25 de novembro.

Pamela Mesquita Vieira, 29 anos, informa que passou no concurso, fez os exames físicos e depois foi avaliada por uma psicóloga. Porém, quando foi ao setor de Saúde Ocupacional da prefeitura essa semana, foi informada que não está apta para assumir o cargo.

"Eu não tenho problema de saúde e não tenho problemas psicológicos", garante. "Não fui informada porque sou inapta, não me mostraram laudo, nada. Preciso saber o motivo". Ela disse que foi ao gabinete do prefeito Ulisses Maia para apresentar a situação, mas não foi atendida.

Quem também questiona o resultado é a estudante de Pedagogia Carla Rosana da Silva, 27 anos. Aprovada no concurso, ela foi considerada inapta a assumir o cargo, no dia 4 de dezembro. E, desde então, não se conforma, anunciando que está disposta a fazer perícia em outro lugar.

Apesar da frustração e aborrecimento das candidatas, a prefeitura informa que o procedimento é normal e há um equívoco na reclamação. "Elas podem vir aqui e solicitar o reteste", explica a diretora da Saúde Ocupacional de Maringá, Solange Marega. O reteste é gratuito. Só há custo se for necessário algum procedimento médico.

Solange Marega explica que como os aprovados lidarão com crianças, assim são submetidos a teste de personalidade e de atenção. E que um destes pode sofrer interferência, dependendo de como a pessoa está no dia, alguma situação que ela esteja passando ou em seu ambiente familiar ou de trabalho. Confirmado o apontamento de inapta, após o reteste, então, a candidata será chamada para conversar com uma psicológa. E nesse segundo momento ela ficará sabendo o que pode ter acontecido e os supostos motivos da inaptidão.

O reteste pode ser agendado no setor de Saúde Ocupacional, que fica na Avenida Carneiro Leão, 294, entre 7h e 17h.

Participe e comente