Será avaliado nesta quinta-feira (6), de manhã na Câmara de Vereadores de Maringá, o projeto de autoria do Executivo do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para 2019 em Maringá. São duas comissões que analisam os documentos enviados pela prefeitura maringaense na última segunda-feira (3): a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e a de Finanças e Orçamento (CFO). "Acredito que deve passar tranquilamente, sem polêmicas", aponta o presidente da CFO, Sidnei Telles (PSD), que forma a comissão com Onivaldo Barris (PHS) e Chico Caiana (PTB).

Após a análise das comissões o projeto deverá entrar em votação pelos vereadores na sessão da próxima terça-feira (11). O IPTU deverá ter uma reposição de aproximadamente 4,53%, baseada no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA 15), no acumulado de 12 meses. A prefeitura aponta que não é aumento do imposto e sim atualização do valor. "Recebemos os documentos, vamos conversar e os assessores conferem as informações para ver se está tudo correto", comenta o vereador e líder do prefeito, Jean Marques (PV), que forma a CCJ com Alex Chaves (PHS) e Carlos Mariucci (PT).

Com isso, há estimativa de a prefeitura arrecadar em torno de R$ 180 milhões com o imposto em 2019. Sendo quase 30% mais que a estimativa desse ano, de R$ 140 milhões.

Maringá tem cerca de 160 mil imóveis cadastrados que recebem o carnê do IPTU. E 46 mil imóveis estão com dívida ativa na prefeitura, somando R$ 573 milhões, sendo 20 mil casas e 26 mil empresas.

Valor esse que poderia ser aplicado em melhorias na Saúde, Ensino, na infraestrutura dos bairros, entre outras situações que a prefeitura debate com a comunidade ao longo do ano.

O que vai mudar será o desconto para pagamento à vista. Até o dia 24 de janeiro de 2019 será de 10%, sendo que esse ano foi de 12%. E quem pagar até o dia 11 de fevereiro terá 7% de desconto e esse ano teve 8%.

A prefeitura agendou para o dia 2 de janeiro o lançamento do IPTU, da Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pública e demais taxas decorrentes da prestação de serviços públicos.

Participe e comente