A microrregião de Maringá gera 40.500 empregos em cerca de 2.800 estabelecimentos industriais de transformação. Além de Maringá, estão inclusos outros quatro municípios: Sarandi, Paiçandu, Mandaguari e Marialva. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os dados revelam que, do total das indústrias de transformação do Estado, a microrregião representa 8,1%, e do total de empregos gerados no Estado, 6,1%. Os segmentos com mais unidades industriais, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) são de confecção e artigos de vestuário, o seguido por produtos de metal, móveis e alimentício. "São dados expressivos. Não temos indústrias do porte das grandes multinacionais como da capital, mas o nosso parque industrial é bem qualificado e tem produtos competitivos, além de boa capacidade produtiva", comenta Carlos Walter Martins, vice-presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) e presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Maringá (Sindimetal).

De acordo com ele, depois da recessão financeira, este ano a situação do setor industrial voltou a subir entre 6% e 12%. "A produção aumentou, as dispensas de funcionários acabaram e as empresas voltaram a contratar", acrescenta.
erca de 76% das indústrias da microrregião são microempresas, 19% pequenas empresas, quatro médias, 0,7% grandes – mais de 90 são de micro ou pequeno porte.

Em 6 anos

A sondagem divulgada pela Fiep revela que 2019 tem o melhor índice de expectativa do empresário industrial em seis anos. O estudo anual sobre práticas e expectativas dos industriais paranaenses revela que 81% dos empreendedores estão otimistas para o próximo ano. Este é o melhor resultado desde 2013, quando a pesquisa revelou que 84% deles acreditavam num bom ano para a economia em 2014.

O percentual é bem mais positivo que o do ano passado, que foi de aproximadamente 64%. Desde 1996, o pior ano em relação ao otimismo foi 2016, quando apenas 33% dos industriais mostraram boas expectativas em relação ao próximo ano.

Participaram da pesquisa cerca de 620 indústrias de todas as regiões do Paraná, e de todos os portes, sendo 425 delas com matriz no Estado. No total, as empresas ouvidas são responsáveis pela geração de 75,7 mil empregos.

A 23ª edição da Sondagem Industrial, pesquisa anual da Fiep revela ainda que entre os otimistas, 37% preveem aumento de vendas, 36% confirmaram que farão investimentos e 27% que devem aumentar as contratações de trabalhadores no próximo ano.

Participe e comente