A economia do Paraná fechou 2017 com crescimento de 2,5%, de acordo com dados do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), divulgados nesta sexta-feira. O desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) foi mais que o dobro da média brasileira. Segundo o IBGE, que divulgou o resultado nacional há nove dias, a economia do Brasil cresceu 1% em 2017. O Estado encerrou 2017 com um PIB de R$ 415,8 bilhões, o equivalente a 6,35% da economia nacional. Em 2010, o Paraná detinha 5,8% de participação.

Pelas redes sociais, o governador Beto Richa comentou o desempenho. "É uma alta expressiva, muito acima da média brasileira. A evolução reflete a melhoria do ambiente de negócios, com respeito ao setor produtivo, e demonstra a efetividade das políticas de desenvolvimento implementadas na nossa gestão", afirmou Richa. "Para os paranaenses, a expansão da economia se traduz em novas oportunidades de emprego e renda, com consequente melhoria do bem-estar social."

O diretor-presidente do Ipardes, Julio Suzuki Junior, ressalta que o desempenho do ano passado configura a recuperação da economia do Estado, após dois anos de retração. "Com isso podemos dizer que não estamos mais em recessão", afirma.

O resultado no ano foi puxado pela agropecuária, que cresceu 11,5% em relação a 2016, graças à safra recorde e as elevadas produções de soja, milho, café, feijão e fumo.

Outro fator positivo veio da indústria, que depois de encolher na crise econômica, voltou a crescer. Em 2017, a atividade industrial teve expansão de 1,8%, graças aos bons desempenhos dos ramos de máquinas e equipamentos, material de transporte e autopeças.

O setor de serviços registrou alta de 1,5%, influenciado pelo resultado do comércio e do ramo de alojamento e alimentação. Os setores que não foram tão bem em 2017 foram a construção civil, influenciada pela redução do programa Minha Casa, Minha Vida, e a produção de energia elétrica, afetada por questões climáticas.


FATOR. Resultado foi puxado pela agropecuária, que cresceu 11,5% em relação a 2016, — JOÃO PAULO SANTOS

Participe e comente