O Superintendente Regional Noroeste do Departamento de Estradas e Rodagens (DER), Otávio Rocha, confirmou na tarde desta terça-feira, 11, que as obras de duplicação da PR-323, terão início em 20 dias. "A ordem de serviço será emitida em 10 dias", disse. Uma empresa de Minas Gerais venceu a licitação no valor de R$ 73 milhões e será responsável por 21 quilômetros de estradas. O trecho fica entre os municípios de Paiçandu, Água Boa e Doutor Camargo (km 153 ao Km 174). A previsão é de que a duplicação seja entregue daqui a dois anos.

A superintendência do DER explica que os contratos da obra citados na Lava Jato foram extintos há dois anos, durante apuração de irregularidades. "A nova licitação está em vigor", afirma. Segundo reportagem da Agência Brasil, nesta manhã a Polícia Federal deflagrou a Operação Piloto, a 53ª fase da Lava Jato, que investiga o envolvimento de funcionários públicos e empresários com a empreiteira Odebrecht no favorecimento de licitação para obras na rodovia estadual PR-323.

Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete do então governador do Paraná Beto Richa, é um dos alvos de prisão. Também foram presos "Jorge Theodócio Atherino, empresário apontado como operador financeiro do ex-governador; e Tiago Correia Adriano Rocha, indicado como braço-direito de Jorge, e responsável por diversas transações financeiras dos empreendimentos do executivo".

Operação

Cerca de 180 policiais federais cumprem 36 ordens judiciais, entre eles, dois de prisão preventiva, um de prisão temporária e 33 de busca e apreensão em endereços no Paraná, em São Paulo e na Bahia. Os policiais apuram denúncias de corrupção ativa e passiva, fraude à licitação e lavagem de dinheiro. "O objetivo é aprofundar as investigações sobre a prática de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e fraude à licitação referentes à duplicação da PR-323, favorecendo a empresa Odebrecht", diz nota divulgada pelo Ministério Publico Federal (MPF).

Segundo o MPF, "empresários do grupo Odebrecht realizaram, no primeiro semestre de 2014, um acerto de subornos com Deonilson Roldo, para que este limitasse a concorrência da licitação para duplicação da PR-323, entre os municípios de Francisco Alves e Maringá. Em contrapartida, a Odebrecht pagaria R$ 4 milhões a Roldo e ao seu grupo.


ESPERA. Duplicação do trecho Paiçandu a Doutor Camargo é aguardada há 10 anos - fluxo é de 25 mil veículos/dia. — JOÃO PAULO SANTOS


Participe e comente