A safra de grãos no Paraná deverá ter uma variação positiva de 4% se comparada à safra 17/18, segundo levantamento do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. A produção está estimada em 23,3 milhões de toneladas, enquanto que na safra 17/18 a produção foi de 22,5 milhões.

O Estado tem registrado um ritmo satisfatório de plantio das culturas na primeira safra 2018/19, ao contrário da anterior, prejudicada pelo clima.

Entre as principais culturas, foram registrados alguns índices positivos de preço, área, produção e rendimento.

A soja paranaense está com o plantio adiantado, com cerca de 18% da área semeada. No mesmo período do ano passado, a seca havia prejudicado esse índice, que atingiu somente 2%. Os produtores estão plantando mais cedo para adiantar também o plantio do milho na segunda safra, e assim escapar das geadas nos meses seguintes. "Se o clima colaborar, teremos o desenvolvimento normal do plantio até o final do ano", disse o chefe do Deral, Marcelo Garrido.

A estimativa de produção é de 19,6 milhões de toneladas, um aumento de 2% com relação ao mesmo período do ano passado. A área plantada deverá ser de 5,4 milhões de hectares. Aproximadamente 15% da produção está comercializada, número que atende à média dos últimos três anos. A guerra comercial entre a China e os Estados Unidos é um dos fatores de influência nos preços. A saca de 60 kg do grão é comercializada em média por R$ 80,00 um aumento de 40% com relação ano passado, quando o preço da saca era girava entorno de R$ 58,00.

A colheita da segunda safra de milho 2017/18 foi concluída em setembro. Foi confirmada uma quebra de 25% na safra, afetada principalmente pelo período mais seco do inverno. Foram produzidas cerca de 9 milhões de toneladas, 3 milhões a menos do que a estimativa inicial, que era de 12 milhões. A 1ª safra 2018/19 tem quase 60% da área plantada. A produção esperada é de 3,2 milhões de toneladas, 11% a mais do que na safra 17/18. Quanto aos preços, o milho é comercializado a R$ 31,00 a saca de 60 kg, valor 55% maior que no mesmo período do ano passado, quando o preço pago foi de R$ 20,00 em média.

Participe e comente