No fim do seu terceiro mandato como governador do Espírito Santo, o ex-emedebista Paulo Hartung (sem-partido) lança virtualmente nesta quinta-feira, 13, o livro "Espírito Santo - Como o governo capixaba enfrentou a crise, reconquistou o equilíbrio fiscal e inovou em políticas sociais". A obra, disponível desde o dia 11, já é a mais vendida na plataforma da Amazon na categoria Finanças Públicas. Hartung foi o único governador que rejeitou a proposta de renegociação de dívidas dos Estados com a União em 2016.

Também deixa o Espírito Santo como o único Estado a ser avaliado com a nota máxima pela Secretaria do Tesouro Nacional em 2018, nas categorias endividamento, poupança corrente e liquidez. "O livro traz uma experiência de que é possível melhorar o serviço público. Também é possível cuidar das contas com responsabilidade e simultaneamente focar naquilo que é prioritário na vida da população e produzir resultados", afirmou Hartung.

O governador diz que recebeu o Estado em 2015 das mãos do seu sucessor, Renato Casagrande (PSB), com um déficit fiscal de quase R$ 1,5 bilhão. No livro, relata que encerrou o mesmo ano com superávit de R$ 199 milhões. Hoje, afirma que entrega o Estado com a melhor avaliação nacional do Ensino Médio e a menor taxa de homicídios.

O desempenho positivo de um dos Estados mais afetados pela crise em 2016 proporciona a Hartung hoje os convites para prestar consultoria a Romeu Zema (Novo) e Eduardo Leite (PSDB), governadores eleitos de Minas Gerais e Rio Grande do Sul, respectivamente.

"Farei aquilo que estiver em meu alcance, não só no caso de Minas, mas também no trabalho de formação de lideranças no país", comenta Hartung, que não tentou a reeleição neste ano. Ele afirma que estará voltado a auxiliar iniciativas de movimentos como o Todos Pela Educação. "Quero fazer da educação uma prioridade nacional". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Participe e comente