Com o verão, o motorista deve ficar atento: o calor aumenta o risco de superaquecimento do motor. A solução para evitar aborrecimentos é manter em ordem o sistema de arrefecimento. A revisão é simples e barata: parte de R$ 120.

"O ideal é que o proprietário do veículo faça essa revisão em intervalos de seis a oito meses", recomenda o dono de uma oficina, Wellington Silva. "O serviço leva cerca de duas horas e meia."

O próprio motorista deve conferir o nível do reservatório regularmente, já que oscilações são um indício de vazamentos. Essa inspeção tem de ser feita sempre com o motor frio. Caso contrário, a pressão pode fazer o líquido fervente jorrar para fora.

A orientação de completar o nível do reservatório com água, por conta própria, divide as opiniões de especialistas e não é indicada por Silva.

"Alguns modelos levam apenas aditivos e outros podem usar água desmineralizada ou desionizada, em proporções variáveis, e essa informação não está no manual do proprietário. A água comum pode formar uma crosta de minérios no sistema, comprometendo peças como o radiador, a bomba d'água e o próprio bloco do motor", ele alerta.

As mangueiras podem rachar ou ressecar - a despesa com a substituição varia de R$ 30 a R$ 320. Se o radiador precisar ser trocado, o custo pode variar entre R$ 240 e R$ 1.800

Ferveu. E agora?

Se a temperatura subir, é preciso desligar o motor. Isso evitará a queima da junta do cabeçote e, mais grave, o travamento dos pistões - que ocasiona o que se chama popularmente de "fundir o motor". Nesse caso, a única solução é fazer uma retífica, despesa que pode ultrapassar os R$ 10 mil nos modelos mais caros.

Participe e comente