Com as vendas de usados em alta - 5% entre abril de 2017 e abril de 2018, segundo dados da Fenabrave, que reúne associações de concessionárias -, o fantasma da quilometragem adulterada no hodômetro volta a rondar com frequência as revendas de seminovos. Embora os carros modernos sejam menos suscetíveis, qualquer veículo está sujeito a esse tipo de fraude.

Descobrir se o hodômetro do usado foi alterado é relativamente simples. Desgaste acentuado no acabamento, revestimento de bancos e pneus podem indicar que a baixa quilometragem é enganosa.

Segundo o proprietário de uma oficina, Bruno Tinoco, itens como pedais e volante não costumam estar deteriorados em carros com menos de 100 mil quilômetros rodados. Se o desgaste for visível, desconfie.

Outro aspecto que deve ser considerado é que um jogo de pneus originais pode rodar cerca de 50 mil quilômetros antes de pedir substituição. Se o veículo tiver baixa quilometragem, mas os pneus foram trocados, vale a pena investigar.

Para tirar a dúvida, basta checar a data de fabricação impressa na lateral da carcaça. Se esse registro não bater com o período de fabricação do carro, pode indicar que houve fraude.

Manual

O manual do proprietário também dá dicas sobre como o carro foi tratado pelos donos anteriores. Os carimbos das revisões não apenas atestam que a manutenção foi feita de forma adequada como permitem checar a quilometragem a cada serviço. É comum que carros com o hodômetro adulterado "misteriosamente" não tenham o livreto de fábrica.

Outro golpe comum é a retirada das páginas referentes à realização das revisões. Selos de troca de óleo no para-brisa e em peças também indicam o período das manutenções.

FIQUE ATENTO
ACABAMENTO
Desgaste acentuado de peças como volante e pedais pode indicar fraude no hodômetro.

PNEUS
Os pneus originais duram cerca de 50 mil quilômetros. Desconfie de quilometragem baixa e desgaste intenso.

MANUAL
Livreto de fábrica indica se manutenções foram feitas e quando isso ocorreu.

LAUDO VEICULAR
Empresas de vistoria cobram cerca de R$ 200 para checar o veículo detalhadamente.

DETRAN
Base de dados revela multas, acidentes e quantos donos o carro teve anteriormente.

SAIBA MAIS
CRIME
Adulterar o hodômetro de um veículo é crime de estelionato e fraude genérica, de acordo com a lei nº 8078/1990, que rege direitos do consumidor. A pena por esse tipo de fraude pode ser de até três anos de prisão.

LAUDO
Uma prova cabal da quilometragem do veículo são os laudos produzidos por empresas especializadas. O serviço consiste na verificação de itens como os números de chassi, motor e autenticidade de peças.
O estado da pintura também é analisado para checar se a carroceria sofreu danos. Em empresas de vistoria na capital, o laudo custa cerca de R$ 200. Outra dica clássica é levar o usado a uma oficina de confiança.


CAUTELA. Adulterar quilometragem do veículo é crime. — DIVULGAÇÃO

Participe e comente