O Bolt já teve o preço divulgado (R$ 175 mil), mas a data do início das vendas no Brasil não foi revelada pela Chevrolet. O que é certo é que o hatch faz parte da nova leva de veículos "verdes" que chegarão às ruas brasileiras a partir do ano que vem, colocando o País na rota da eletrificação veicular.

Além do Bolt, que tem motor de 200 cv e autonomia de cerca de 380 km, outros dois modelos elétricos foram confirmados para o Brasil: o Renault Zoe e a segunda geração do Nissan Leaf. A dupla foi revelada aos brasileiros durante o Salão do Automóvel, que terminou no domingo, em São Paulo.

Os dois são mais baratos que o BMW i3, até então o único elétrico vendido no País. Recém-renovado, o alemão parte de R$ 199.950.

Elétrico de entrada

Das novidades elétricas, a mais em conta é o Zoe. Com preço sugerido de R$ 149.900. O hatch elétrico feito na França já pode ser encomendado no site eletricos.renault.com.br. A Renault promete iniciar as entregas em fevereiro de 2019.

Inicialmente, o modelo será oferecido em duas lojas físicas, uma em São Paulo e outra em Curitiba. A marca informa que pretende ampliar a rede de concessionárias dedicada ao Zoe, o que deve ocorrer conforme o aumento da demanda.

Elétrico mais vendido no mercado europeu, o Zoe tem motor com o equivalente a 22,9 mkgf de torque e pode rodar cerca de 300 km sem recarregar. Além disso, para repor 80% da capacidade das baterias basta plugar o modelo em uma tomada elétrica por cerca de hora e 40 minutos, segundo informações da Renault.

Opção japonesa
O outro elétrico que estreia no País é o Nissan Leaf de segunda geração. A primeira também esteve aqui, mas apenas para testes (algumas unidades foram cedidas à cooperativas de táxis e forças policiais, por exemplo).

O Leaf está em fase de pré-venda - as entregas devem começar em junho do ano que vem. Com tabela de R$ 178.400, o Nissan tem motor de 150 cv e autonomia de cerca de 400 km.

Veículos híbridos, com motor a combustão aliado a outro elétrico, já estão no País há tempos. Mais famoso modelo do tipo no mundo, o Prius ainda é um carro de nicho, mas já tem resultado de vendas significativo. Neste ano, o Toyota teve cerca de 2,2 mil emplacamentos. Em 2019, o Prius vendido aqui deverá incorporar a tecnologia flexível ao motor a combustão. Com isso, ficará ainda mais "verde".

A Lexus, marca que pertence à Toyota, também aposta nesse tipo de solução. Entre as opções oferecidas aos brasileiros está o utilitário NX, que traz um novo 2.0 a gasolina de 194 cv e sai por R$ 229.670.

MUDANÇA NO IPI
LEGISLAÇÃO
Com a entrada em vigor do regime automotivo Rota 2030, assinado no dia da abertura do Salão do Automóvel, o IPI para híbridos e elétricos foi reduzido. Dos 25% para todos os modelos, o imposto agora varia entre 7% e 20%, conforme a eficiência energética. Há ainda alguns incentivos pontuais no País. Na cidade de São Paulo, esses modelos ficam livres do rodízio e têm parte do IPVA devolvido.

Na Europa, vários países se preparam para banir modelos com motor a combustão dos centros urbanos. Na Noruega, o prazo é 2025. A Alemanha adotará medidas semelhantes em 2030; França e Inglaterra, a partir de 2040.

Participe e comente