O motor 3.5 V6 biturbo rende 450 cv, o câmbio automático tem dez marchas, os bancos são da Recaro e a carroceria é feita de alumínio. Essa breve descrição caberia bem a um carro esportivo. E é. A diferença é que não estamos falando de um hatch ou cupê, mas de uma picape.

Trata-se da F-150 Raptor, modelo que foi um dos destaques da Ford no Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro. E, se ela chamou atenção parada no estande, andando impressiona muito mais

Soltamos toda a cavalaria da picape na pista de testes da Ford em Tatuí, no interior de São Paulo. Em vez de pavimentação nivelada e sem buracos - ambiente típico dos esportivos convencionais -, fomos para a terra, habitat da Raptor.

Ao pressionar o acelerador, o motor ronca com saúde e a enorme picape, de 5,89 metros e 2.584 quilos, dispara como se fosse um Mustang. Antes de continuar, e já que o "muscle car" invadiu o texto, vamos a alguns esclarecimentos - e a um balde de água fria.

A Ford garante que não pretende vender a Raptor no Brasil. A razão é que ela é cara até nos Estados Unidos - é feita em Dearborn, Michigan.

Lá a picape custa US$ 54.350. Isso representa 27,6% a mais que os US$ 39.355 do Mustang GT Premium, versão vendida no Brasil. Como aqui o cupê é tabelado a R$ 315.900, dá para supor que a Raptor não sairia por menos de R$ 400 mil.

Sacode a poeira

O jeito, então, foi aproveitar o dia para levantar poeira. A Raptor correu sobre cascalho e terra como se estivesse no asfalto. Para ir de 0 a 100 km/h bastam 5 segundos, informa a Ford.

Com a tração 4x4 acionada, a picape mostrou-se dócil nas curvas, apesar de tanta potência e torque (são 70 mkgf). Mas a F-150 também sabe dançar.

Para explorar a ginga da Raptor sobre piso de baixo atrito, basta desligar a tração integral e o controle de estabilidade. Com tanta força enviada ao eixo traseiro, o resultado é o que se vê na foto do topo desta página: a traseira fica arisca e pronta para sair derrapando a qualquer provocação do motorista.

"Quando dá preguiça de virar o volante, é só acelerar", brinca o engenheiro e piloto de testes da Ford Luis Gozzani. Ele se refere a uma manobra comum sobre piso de baixa aderência, como terra. Basta virar o volante de leve e acelerar que a traseira desgarra e a frente aponta para onde o motorista quer. Feito isso é só corrigir a direção (com assistência elétrica) para controlar a derrapagem.

Os pneus 315/70 R17 agarram bem ao solo e a suspensão desenvolvida em parceria com a especialista Fox absorve solavancos de forma surpreendente. Enquanto a Raptor ia saltando sobre os obstáculos, foi possível conversar normalmente dentro da cabine, como se nada estivesse acontecendo.

O câmbio automático de dez velocidades faz passagens suaves e há borboletas no volante para trocas manuais. Assim, o motorista pode subir ou descer as marchas como em um autêntico esportivo.

Na linha 2019, entre as novidades há amortecedores magnéticos, para melhorar ainda mais a estabilidade (a Raptor avaliada era modelo 2018).

Motor: 3.5, V6, 24V, biturbo, gas.
Potência (cv): 450 a 5.000 rpm
Torque (mkgf): 70 a 3.500 rpm
Câmbio: Automático, dez marchas
Comprimento: 5,89 metros
Tanque: 137 litros

MAIS VENDIDO NOS EUA E O REBELDE DA FAMÍLIA
A Ford F-150 é o veículo mais vendido dos EUA, e tem uma ampla gama de versões. Há desde opções destinadas ao trabalho, como a XL, que custa pouco mais de US$ 28 mil (cerca de R$ 107 mil na conversão direta), à luxuosa Limited, que ultrapassa os US$ 67 mil (algo como R$ 257 mil). Entre elas aparece a Raptor, a, digamos, irmã rebelde da família.

Além da capacidade de correr e saltar, a Raptor atrai pelo interior esportivo. A picape acolhe com conforto cinco ocupantes Os bancos de couro são envolventes, com largos apoios laterais - muito úteis em um carro de reações temperamentais. Os ajustes são elétricos e há aquecimento e ventilação.

Outra alusão a modelos esportivos é a faixa vermelha na parte superior do volante. O sinal serve para orientar sobre a posição central (rodas retas).

Embora a F-150 seja enorme, os comandos estão todos à mão do condutor. Além disso, todas as informações são claras.

O acabamento inclui apliques que imitam fibra de carbono na alavanca de câmbio, painel e revestimento de portas. Entre os mimos estão câmeras para facilitar as manobras e central multimídia, além de uma grande tela digital no quadro de instrumentos.

Participe e comente